INTERESSADOS DIRETAMENTE COM O DIAP

 
Veja nossa localização
e entre em contato
 
FILIADA A
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Filiados

 

SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE CAMPOS

Presidente:  MARIA APARECIDA IMBELONI HENRIQUES

Rua Doutor Inácio de Moura, nº 10 - Altos - Centro  
Campos dos Goytacazes - RJ
Cep.: 28010-025
Tel.: (22) 2722-5058
FAX (22) 2272-2704
E-mail: sincca@sincca.org.br
Home Page:  www.sincca.org.br

 

HISTÓRIA

A história do Sindicato dos Contabilistas de Campos vai muito além dos relatos de lutas e glórias desde sua fundação, nos áureos tempos da Associação dos Contabilistas até os dias atuais. Ela percorre com coragem a longa estrada do tempo, enfrentando dificuldades e atravessando barreiras, mas sobreviveu vitoriosa, mesmo durante os 21 anos do período da didatura militar, estabelecida no Brasil entre 1964 a 1985.

Ao longo dos 60 anos de história do Sindicato, muitos homens dedicaram suas vidas e tempo aos interesses do movimento sindical, da classe e da profissão. Homens como José Alves Patrício, Francimar Paes Rangel, Décio Alencar, Jorge Monteiro, José Breno Campos, Alair Ferreira Ferreira, Antônio Nascimento, José Ornis Rosa, Amaro Fidélis, Enerildo dos Santos, entre outros, deram a sua contribuição ao sindicalismo e à categoria.

Sentindo que faltava um órgão que defendesse os interesses dos contabilistas, os contadores Jorge Monteiro, Décio Alencar e Antônio Nascimento se reuniram e fundaram, em 1944, a Associação dos Contabilistas de Campos. Nos primeiros anos a Associação tinha poucos associados e manteve-se sobrevivendo com recursos próprios de seus diretores. O primeiro presidente foi Antônio Monteiro, que contou com os apoios de José Alves Patrocínio (que também foi presidente por dois mandatos de três anos cada) e de Alair Ferreira, que mais tarde se tornaria um dos Deputados Federais mais atuantes na região.

A Associação contou com bons presidentes, destacando-se entre eles, Jorge Monteiro e Antônio Nascimento, que revelaram-se verdadeiros líderes sindicais, com total dedicação ao sindicato. Outro que também se destacou foi Francimar Paes Rangel, que já naquela época dividia seu tempo entre o escritório contábil e a advocacia. Ele fomentou positivamente a Associação com muitas discussões contábeis, tributárias e sociais.

Como qualquer entidade no Brasil, a Associação dos Contabilistas de Campos teve seus altos e baixos. Naquela época os associados estavam envolvidos demais com seus escritórios e ninguém queria tomar à frente da Associação. E em 1961 foi obrigada a fechar temporariamente suas portas por falta de uma liderança sindical. Mas não demorou muito e os contadores Antônio Nascimento, Jorge Monteiro e Décio Alencar sentiram a necessidade de reabrir a Associação à luz da modernidade: transformando-a em um SINDICATO. E também convocou colegas contabilistas e outros técnicos recém formados como novos membros associados.

A partir de então, as dificuldades só aumentaram. Na época, já existia o Sindicato de Niterói, que não foi a favor da criação do nosso Sindicato, fazendo de tudo para impedir seu surgimento e chegando inclusive a usar sua influência dentro do Ministério do Trabalho em Brasília para engavetar o processo.

A Subdelegacia do Ministério do Trabalho em Campos enviou o processo da legalização do Sindicato para Brasília. Mas a pressão de Niterói foi muito grande e o processo não andava. Niterói queria ser o único Sindicato no Estado do Rio de Janeiro. Foi graças a ajuda do Senador Amaral Peixoto que o processo finalmente andou. Ele cuidou pessoalmente do problema, e em uma semana a coisa toda estava resolvida.

Fundado então em 06 de julho de 1982, o Sindicato dos Contabilistas de Campos passou a ser um órgão mais atuante nos interesses da classe, acompanhando de perto a criação e as alterações nas Leis sobre tributos e comércio na esfera municipal, estadual e federal. O período regido por governos militares no Brasil trouxe muita expectativa e vigilância, por parte dos empresários e contadores. Nem por isso o Sindicato trabalhou menos, nem se inibiu diante da opressão avassaladora ou da inflação galopante do regime político até 1985.

Como primeiro presidente, Antônio Nascimento continuou trabalhando em pról da categoria, como o faz até hoje, dignificando o profissional da contabilidade e enaltecendo o Sindicato. Tornou-se um dos diretores mais ativos junto à Federação dos Contabilistas dos Estado do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, defendendo os interesses de Campos atendendo os anseios da classe de forma brilhante. A Convenção Estadual de 1984 foi realizada em Campos graças aos méritos de Antônio Nascimento e de sua diretoria.

Após as Diretas Já, as coisas começariam a melhorar um pouco. O Brasil estava tentando encontrar um caminho. Sabiamente, o Sindicato também, procurando seu fortalecimento, chamando novos companheiros para ajudar na luta sindical. É quando entra em cena contadores como José Ornis Rosa.

O tímido técnico contábil que no início recusou-se a fazer parte da diretoria por achar que não tinha conhecimento sindical suficiente para assumir as responsabilidades que a função exigia, tornaria-se um dos maiores líderes que a região conheceu. Durante os três mandatos de José Ornis como presidente, o Sindicato amadureceu, modernizou-se e cresceu ao ponto de ter 150 membros associados inscritos. Também ganhou maior importância e visibilidade, inclusive, a nível internacional. Bens patrimôniais foram conquistados para o Sindicato, como por exemplo a aquisição de quatro terrenos no loteamento Alphaville, que hoje é um bairro nobre em Campos.

Amaro Francisco Fidélis assumiu a presidência em seguida, destacando-se na área social e humanitária. Como bom administrador, deu ênfase às questões burocráticas do Sindicato.

inaugurada a nova sede em 01 de outubro de 2015 .

Nota: Este texto foi redigido graças à ajuda da memória de Antônio Nascimento, testemunha viva do início da fundação da Associação. Um exemplo de luta, força, fé e coragem.

 

CONVENÇÕES REALIZADAS

52ª Convenção dos Contabilistas do Estado do Rio de Janeiro (2004)

Local: SESC Mineiro de Grussaí (São João da Barra), de 26 a 28/08/2004

Presidente: Enerildo dos Santos

 

51ª Convenção dos Contabilistas do Estado do Rio de Janeiro ( 2002)

Local: SESC Mineiro de Grussaí (São João da Barra), de 22 a 24/08/2002

Presidente: Amaro Francisco Fídelis

 

46ª Convenção dos Contabilistas do Estado do Rio de Janeiro (1994)

Local: Palácio da Cultura e Santa Casa de Misericórdia de Campos (Salão Nobre), de 18 a 20/08/94

Presidente: José Ornis Rosa

 

36ª Convenção dos Contabilistas do Estado do Rio de Janeiro (1984)

Local: Palácio da Cultura e Tênis de Clube de Campos, de 23 a 28/08/1984 (já como Sindicato dos Contabilistas de Campos)

Presidente: Antônio Nascimento Ferreira

 

20ª Convenção dos Contabilistas do Estado do Rio de Janeiro (1968)

Local: Automóvel Clube de Campos, de 25 a 28/07/1968 (ainda como Associação dos Contabilistas de Campos)

Presidente: Ailton Ferreira Lima

 

BASE TERRITORIAL : CAMPOS

 

OUTRAS CIDADES :  BOM JESUS DE ITABAPOANA, CAMBUCI, ITAPERUNA, LAJE DO MURIAE, MACAE, MIRACEMA, NATIVIDADE, PORCIUNCULA, SÃO FIDELIS, SÃO JOÃO DA BARRA, SANTO ANTONIO DE PADUA, ITALVA, CARDOSO MOREIRA, SÃO FRANCISCO DE ITABAPOANA.

 

CIDADES/POVOADOS/DISTRITOS  QUE PERTENCEM Á BASE DESSE SINDICATO: VARRE-SAI, SÃO JOÃO DO PARAISO , SÃO JOSÉ DE UBA, SÃO SEBASTIÃO DE CAMPOS, TOCOS SANTA MARIA, TRAVESSÃO, BARCELOS, RETIRO DO MURIAE.

 

OUTRAS : APERIBE, MONTE ALEGRE, MORRO DO COCO, PUREZA, RAPOSO, SANTO AMARO DE CAMPOS.

OBS.: IMPORTANTE : A BASE TERRITORIAL PRINCIPAL DESSE SINDICATO É A IDENTIFICADA COMO BASE TERRITORIAL ACIMA  ( AQUELA LEGALMENTE REGISTRADA JUNTO AO MINISTERIO DO TRABALHO E VISIVEL A TODOS NO SITE DO MTE)  AS DEMAIS CIDADES/POVOADOS E DISTRITOS AQUI INFORMADOS NÃO TEM SINDICATOS  E PERTENCEM ENTÃO A FEDERAÇÃO DOS CONTABILISTAS O RECOLHIMENTO CORRETO, PORÉM DEVIDO A PROXIMIDADES DESSAS CIDADES, POVOADOS E DISTRITOS DA BASE TERRITORIAL DO SINDICATO E TAMBÉM PARA O MELHOR ATENDIMENTO AOS PROFISSIONAIS DA REGIÃO E FORTALECIMENTO DO SINDICATO ,O PAGAMENTO DEVERÁ SER REALIZADO AO SINDICATO.  

NADA IMPEDE QUE O  PROFISSIONAL  POSSA ESCOLHER , POIS A LEGISLAÇÃO É CLARA , EM NÃO TENDO SINDICATO , O RECOLHIMENTO É REALIZADO PARA A FEDERAÇÃO.(ORDEM DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO SINDICAL)    

CASO OPTE PELA FEDERAÇÃO FAVOR ENTRAR EM CONTATO.    

VALOR DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PARA 2015 ................................R$ 217,20 (DUZENTOS E DEZESSETE REAIS E VINTE CENTAVOS) 

VALOR DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PARA 2016 .................................R$ 236,40 (DUZENTOS E TRINTA E SEIS REAIS E QUARENTA CENTAVOS) 

VALOR DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PARA 2017 .................................R$ 264,00 (DUZENTOS E SESSENTA E QUATRO REAIS)  

 

IMPRIMA AQUI A SUA GUIA GRCS 2017

  http://www.tcsdigital.com.br/CLIENTES/CNPL2/DIGITAL/guiaswebemissao/emissaoguia.aspx?entidade=FA-1A-9E-83-E1-47-FE-44    

 
•  Ver outros filiados
 
 
 
 

Boletins em fase de reformulação

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fedcont - Federação dos Contabilistas nos Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia
Av. Presidente Vargas, 502 / 8° andar - Ed. Sisal
Centro - Rio de Janeiro / RJ - CEP: 20071-000
Fone: (21) 2220-4358  /  Fax: (21) 2532-5259  /  E-mail: fedcont@fedcont.org.br